sábado, junho 14, 2008

O NÃO dos europeus


O resultado da Irlanda do Não ao referendo sobre o Tratado de Lisboa, repetir-se-ia seguramente por muitos outros países da Europa, se os líderes europeus não tivessem sonegado aos seus povos o exercício democrático do referendo. Foi por medo do Não que assim procederam e não por qualquer outra razão. O que só revela o desprezo que lhes merece as vontades dos seus povos, o que, aliás, também já não é novidade para ninguém.

Do que os Povos têm medo, é do poder, do maior poder, que com a aprovação do Tratado alcançaria, essa “entidade” distante, difusa e obscura que tem como serventuários os Comissários Europeus e os líderes europeus.
Um poder que se vem manifestando nas chamadas “directivas” comunitárias, que longe de provocarem o desenvolvimento social e económico dos países da comunidade, vêm demonstrando precisamente o contrário.
Na mesma medida em que vem sendo ampliado tal poder, verifica-se o agravamento das desigualdades sociais dos europeus, a redução das suas condições sociais, o aumento dos seus impostos e a diminuição dos seus salários.
Um poder que faz com que os líderes europeus aprovem na Comissão legislação que não se atreveriam a aprovar no recanto dos seus países, como sucedeu com a recente aprovação do prolongamento do horário laboral para as 65 horas semanais, alterando uma disposição datada de 1917 que fixava em 48 horas o horário semanal máximo. Quando, face ao desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da robótica, levaria os cidadãos a pensar que tal revertia a seu favor com a diminuição do seu horário de trabalho, acontece precisamente o contrário.

Propagandeiam que tais sacrifícios são para bem do desenvolvimento e modernidade, mas os cidadãos europeus já se aperceberam há muito tempo de que tal “modernidade e desenvolvimento” nada tem a ver com a modernidade e desenvolvimento das suas condições de vida. Será muito simplesmente e tão só, a “modernidade e o desenvolvimento” das oligarquias financeiras nacionais e mundiais e dos seus super lucros.
Os cidadãos europeus dizem Não a esta Europa que despreza os seus direitos e a melhoria das suas condições de vida. Já entenderam qual a lógica do “desenvolvimento e modernidade” que os seus líderes lhes impõem e que tem um único sentido – satisfazer os interesses e os objectivos dos grandes grupos económicos a que corresponde necessariamente um retrocesso nas suas condições de vida e de bem estar.

7 Comments:

Blogger joao marques de almeida said...

Ligando o texto de Salazar, esse, o António, aqui publicado, com os de C. Marx, temos uma lição magistral do que é saber pensar política em termos de interesse dos povos.
Quanto ao Não irlandês (uma saudação ao povo celta) não passa de um acidente de funeral. O texto assinado em Lisboa tinha sido já uma certidão de óbito. Mas não se pense que a clique oligarca do capital financeiro e especulativo que governa a Europa desista das suas maquinações de exploração dos povos. Não me espantaria que mudando uma virgula transformem aquilo a que chamavam Constituição e agora tratado, numa directiva vinculativa.
João

10:24 PM  
Anonymous Anônimo said...

Bom....e agora...já andam por aí uns pimpões que, segundo dizem, vão estar em Bruxelas à espera que o Primeiro Ministro Irlandês se explique...e lhes explique o que pensa fazer....


Isto é ou não desfaçatez...primeiro nem lêm os jornais para saberem o resultado do referendum...depois o que aconteceu está tudo previsto na LEI da UE que eles próprios fizeram ( regra da unanimidade ) o que revela que os pimpões nem a lei conhecem...e o Primeiro Ministro não precisa de perder tempo a explicar o que quer que seja....depois a "chata" da Irlanda já entrou para a UE prá´í em 1973...ou seja muito antes da outra grande maioria....e daí que tenha a voz mais grossa.... e, finalmente não fez nada que a França ou a Dinamarca já não tenham feito....e que não explicaram nada....!

Por isso..caros burocras é aproveitar ....é que vai dar para mais umas viagenzitas ...uns coktails....umas fotos de família...etc....e uma carreira europeia...a fazer actas de reuniões....e mais actas e comités e aditamentos e esclarecimentos e aditamentos aos esclarecimentos....e esclarecimentos aos esclarecimentos...fax pra cá e fax pra lá e..... fax não .....que agora só email.. até que aquilo fique de tal maneira que ninguém percebe o que lá está.... depois...olhe nem os irlandeses perceberam....

Como nós que ainda ninguém percebeu porque é que o défict tem de ser de 3% e 0% daqui a três anos....

...e andamos a fazer autoestradas sem termos sequer dinheiro para o gasol.....e alguns nem para comer....


...também é verdade que ninguém se preocupou em explicar nada a ninguém.....

Boa noite ...vou mas é ouvir a Amy Winehouse...em CD...!

12:42 AM  
Anonymous Anônimo said...

Veja lá se alguma vez os cabecinhas douradas da burocracia europeia pensaram que uns tipos meio celtas aí para os lados do Atlântico ainda por cima vizinhos do UK se atrevessem a estragar as cerimónias oficiais já programadas ...para pompa e glória de suas eminências....!!

...Ora e se fossem mas é à procura de petróleo barato...??? não seria melhor....

12:48 AM  
Blogger O Guardião said...

A Europa dos cidadãos e a Democracia europeia é esta? Porque têm medo os políticos de auscultar os cidadãos?
Quem detém afinal o poder'
Já não dá para esconder que quem manda não é o povo, nem sequer aqueles que são eleitos, mas sim os grandes interesses económicos que não dão a cara e compram muitas consciências que circulam nos corredores da política.
Cumps

10:56 PM  
Anonymous joão said...

Os burgueses (aqueles que não trabalham e vivem do trabalho dos outros) em épocas de crise par continuarem a viver dos rendimentos jogam sempre com o desrespeito por quem trabalha. Pode ser que um destes dias os trabalhadores abram os olhos e se cansem de ser insultados por aqueles para quem trabalham e os mandem trabalhar.

11:00 AM  
Anonymous Anônimo said...

Então não seria preferivel que lá no Tratado ou lá o que é....tivesse sido escrito que só seria vetado se houvesse cinco ou dez países a vetar????

...Pois.... mas isso seria fugir ao princípio da igualdade dos Estados...quando igualdade só no papel....

......veja só o que já dizem ....pois a Irlanda tem que explicar ...tem que apresentar solução ou...terá que se encontrar uma via própria para a Irlanda....não podem os outros ficar parados...só porque aqueles disseram não....

Meu caro o sinismo em política devia constar como artigo primeiro ....

....ao menos assumia-se a realidade...?!

12:12 AM  
Anonymous Anônimo said...

É isso...não tarda e ficamos com as cuecas na mão....tal a subida do petróleo....

5:10 PM  

Postar um comentário

<< Home