quinta-feira, julho 26, 2007

O objectivo (?) era baixar os preços. Mas, dois anos depois de o primeiro-ministro ter anunciado que os medicamentos não sujeitos a receita passariam a ser vendidos fora das farmácias, estes remédios estão mais caros. Em média 3,5%.
Conclusão de um estudo da Deco Protest, que avaliou as vendas nas lojas e também nas farmácias.

5 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Meu caro o sector privado não se fez para perder dinheiro nem para o dar a ninguém......

só que quem é incompetente deve ser privatizado......e leiloado....

10:15 PM  
Blogger Mentat said...

"...a receita passariam a ser vendidos fora das farmácias, estes remédios estão mais caros. Em média 3,5%..."

Já no ano passado deram uma noticia semelhante, mas tiveram a "burrice" de dar exemplos.
Um dos casos era a Aspirina.
Ou seja um medicamento, que custa para aí no máximo 2€.
Por isso, diga-me lá se por 7 centimos, o que é que perfere ?
Comprar as aspirinas no supermercado que lhe fica em caminho e fecha às 23h, ir à farmacia de serviço e pagar taxa de urgência ou aguentar a dor de cabeça.
Estes estudos são muito curiosos, mas a liberalização quer dizer que pode ir comprar onde quizer, não que tem de ir comprar mais caro.
.





















000

11:51 PM  
Anonymous Anônimo said...

Eu opto por aguentar a dor de cabeça......

....vale tudo......e a gente come tudo.....!

1:14 PM  
Anonymous Anônimo said...

Por falar em comer tudo....ouvi agora o Exmo Senhor Ministro das Finanças dizer a propósito das Contas do Estado, sobre Despesas com Pessoal que
.......como no primeiro semestre gastámos metade do que estava orçamentado não há derrapagem nenhuma.....

Comemos de tudo ou não....!?

Para quem é ....qualquer declaração serve.....daqui a cinco minutos já ninguém sabe o que ele disse ...

1:19 PM  
Anonymous joao said...

Naturalmente que estão mais caros, as liberalizações fazem-se para isso mesmo.
E já agoro, caro mentat, 7 centimos são 7 centimos, veja lá se as Finanças ou os Banco os perdoão.

11:16 PM  

Postar um comentário

<< Home