domingo, fevereiro 20, 2011

Não somos parvos


Todos eles. Políticos, politólogos, economistas e toda a espécie de comentaristas do “sistema”não se cansam de repetir a toda a hora, nos meios de comunicação social, que os cidadãos portugueses estão a viver “acima das suas possibilidades”. Vivendo confortavelmente do “sistema” e para o “sistema”, como elite dominante, tentam com os poderosos meios de que dispõem disseminar a sua “ideologia” dominante e assim perpetuarem os privilégios que ao longo das últimas décadas souberam acumular. Trata-se de uma falácia, de uma mentira, com o único objectivo de fazer aceitar passivamente as medidas de austeridade que se anunciam sobre as populações. Ignoram simplesmente, que 2 milhões de portugueses vivem abaixo do nível de pobreza, que milhão e meio de cidadãos vivem com pensões inferiores a 330 euros, que mais de 660 mil portugueses estão desempregados, que mais de 1,4 milhões de trabalhadores recebem um salário inferior a 600 euros ou que a média salarial dos 3,8 milhões de trabalhadores por conta de outrem não chega aos 780 euros mensais. Pouco lhes importa a miserável situação económica em que vivem 85% dos cidadãos portugueses, o desemprego dos jovens e a precariedade do emprego.
Em 1999, a dívida pública do Estado, não ultrapassava os 51,4% do PIB (abaixo dos 60% recomendados pela UE) e a dívida externa líquida não ia alem dos 33,1% do PIB. O que mudou então tão radicalmente na economia portuguesa para que tais dívidas tivessem um incremento tão abrupto, crescendo a dívida pública e a dívida externa líquida para valores incomportáveis, superiores a 115% e 130% respectivamente, e que condicionam, por imposições externas (UE), toda a nossa vida social e económica? Será que nestes 10 últimos anos a população portuguesa usufruiu de toda esta riqueza e numa tal proporção? Será que os salários ou as pensões dos trabalhadores duplicaram? Será que as benfeitorias do Estado duplicaram? Será que o “estado social” duplicou os seus apoios sociais numa tal proporção? Não parece que tal tenha acontecido. Pelo contrário, os aumentos salariais e os apoios sociais foram superiores na década de 80 e 90 sem que tenha havido semelhante descontrolo financeiro. Algo duplicou ou triplicou contudo nesta última década – os lucros dos bancos e das empresas monopolistas nacionais, o número dos órgãos parasitários do Estado e a corrupção institucional. E, nestes dois últimos anos, com a crise financeira internacional, uma outra situação se apresentou - dinheiro do erário público oferecido às instituições financeiras.
Na verdade, mantendo-se o nível salarial e os apoios sociais praticamente constantes nesta última década, existindo um aumento crescente da riqueza nacional (em 1999 o PIB era de 144.193 milhões de euros e em 2010 de 170.000 milhões de euros), permanecendo estável o número de habitantes e não existindo portanto diferenças significativas nas condições sociais dos cidadãos entre o início e o fim da década, que obscuras razões existirão então que obrigam a nossa elite dominante a apregoar, só agora e com tanta insistência, “que vivemos acima das nossas possibilidades”?
Foram a especulação financeira, as instituições financeiras, o capital financeiro os únicos responsáveis pela recente crise internacional. O capitalismo produtivo e o mundo laboral encontraram-se completamente à margem do eclodir desta crise. A especulação financeira cada vez mais imaginativa e movimentando cada vez maiores quantidades de dinheiro, fruto dos elevados rendimentos oferecidos, numa espiral de ganância incontrolável, com múltiplos e cada vez mais sofisticados produtos financeiros, ergueu uma fantástica e monstruosa pirâmide Ponzi que, enquanto perdurou acumulou ganâncias enormes que se alojaram em paraísos fiscais e, ao rebentar, provocou enormes perdas nas instituições financeiras. Dinheiro que os vários governos, dos vários países, se apressaram a cobrir. Mas é do capitalismo produtivo, do mundo laboral que o capitalismo financeiro reclama agora, através dos governos, com imposição de novos e mais gravosos impostos, cortes sociais e redução de salários, a reposição de todo o dinheiro perdido. E, como sempre, aí temos os governos prontos a responderem às suas ordens. Não se trata de “vivermos acima das nossas possibilidades”, trata-se de aceitarmos ou não, a mais profunda e abrupta alteração de rendimentos entre a maioria e uma minoria da população, entre uma elite dominante e uma maioria constituída não apenas de trabalhadores mas igualmente de empresários (o capitalismo financeiro actual ataca não somente os trabalhadores mas também os pequenos e médios empresários), trata-se de um agravamento abrupto das desigualdades sociais. Trata-se de aceitarmos ou não, o suicídio económico e social de uma nação.

Marcadores: , ,

11 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Caro Blogger....você que é entendido ...explique-me uma coisa:

....quando acabarem os miseráveis e os trabalhadores a quem é que se vai fazer descontos...??...para salvar a economia.....??

Está a ver porque é que eu me estou borrifando...para essas porretas todas de déficites...e desequilíbrios....e contas externas...e outras coisas no género...que não tarda nada já não interessam para nada porque a fita já é outra no écran....

1:00 AM  
Anonymous Anônimo said...

E...por falar em ecran vou mas é ver o Discurso do Rei....

...realmente convém a gente preparar-se e saber como fazer para curar a gaguês que aí vem....

1:02 AM  
Anonymous Anônimo said...

Já agora ando com umas dúvidas ultimamente e ainda não sei como resolvê-las...

explicando...

antigamente lia-se .....espectador...agora com a nova ortografia escreve-se......espetador....
dúvida minha...e como se lê....??!...será que vem do espeto na brasa....ou de espetada....com pau de louro..??

1:08 AM  
Anonymous Anônimo said...

Por outro lado...

....antes tinha um tecto pintado...e agora um teto pintado...

mas...qual...?!! o de cima ou o de vaca...????

1:15 AM  
Anonymous Anônimo said...

Entretanto...li uma notícia sobre os aumentos dos prêços do algodão...

Oh..diabo...!!!! há por aí alguns trinta e cinco anos ...mais ou menos ....viam-se por lá... Kms e Kms de algodão...onde parará esse produto...senhores ???

1:22 AM  
Blogger Força Emergente said...

Caro amigo

Vamos fazer o que ainda não foi feito.

Por fim a esta classe politica.

7:58 PM  
Anonymous Anônimo said...

Oh!!!....cara Força Emergente....

...mas como é que havemos de pôr fim a esta classe política....se já andam a falar que só se reformam aos oitenta...???

...e não vejo ninguém a refilar....

11:57 PM  
Blogger Pata Negra said...

Se o pobre vive acima das suas possibilidades, então para viver dentro das suas possibilidades provavelmente estará morto.
Pois a questão certa e simples do PIB, se ele, apesar de tudo, vem aumentando, o que é que se passa?!
Com que descaramento mantêm o nome de "partido socialista"? Com que descaramento falam de governos de maioria absoluta se, com ele, nos trouxeram até aqui!?
Um abraço em tempos de tomar partido

7:30 PM  
Anonymous Fernando Almeida said...

Para o Anónimo - De acordo com o novo acordo ortográfico, vai continuar a escrever e a dizer espectador. Já quanto a tectos, e uma vez que se pronuncia teto, vai começar a escrever teto.
O Brasil modificará, com este acordo, 1,3% do seu vocabulário, mais coisa, menos coisa.. Já Portugal irá mudar 6,5%, mais coisa, menos coisa. E este acordo não unificará as grafias, porque, pelo menos, entre Portugal e Brasil manter-se-ão diferenças como «facto» e «académico» em Portugal e «fato» e «acadêmico» no Brasil. Mais uma golpada nos heróis do mar.

12:59 AM  
Blogger lina123 Chen said...

chenlina20150626
ray ban sunglass
timberland outlet
pandora charms
louis vuitton
ray ban glasses
coach factory outlet
kate spade outlet
michael kors uk
michael kors handbags
chanel uk
air max 95
fitflops
michael kors outlet
cheap nfl jerseys
louis vuitton
jordan 13
louis vuitton handbags
louis vuitton outlet
fitflops clearance
pandora uk
louboutin
louis vuitton outlet
louis vuitton handbags
celine handbags
michael kors outlet online
jordan retro 11
abercrombie
coach factory outlet
tods outlet store
ray ban wayfarer
prada sunglasses
louis vuitton handbags
toms shoes
jordan 11
chanel outlet
michael kors
mont blanc mountain
ray ban outlet
oakley sunglasses wholesale
gucci outlet

1:16 AM  
Blogger lina123 Chen said...

chenlina20150626
ray ban sunglass
timberland outlet
pandora charms
louis vuitton
ray ban glasses
coach factory outlet
kate spade outlet
michael kors uk
michael kors handbags
chanel uk
air max 95
fitflops
michael kors outlet
cheap nfl jerseys
louis vuitton
jordan 13
louis vuitton handbags
louis vuitton outlet
fitflops clearance
pandora uk
louboutin
louis vuitton outlet
louis vuitton handbags
celine handbags
michael kors outlet online
jordan retro 11
abercrombie
coach factory outlet
tods outlet store
ray ban wayfarer
prada sunglasses
louis vuitton handbags
toms shoes
jordan 11
chanel outlet
michael kors
mont blanc mountain
ray ban outlet
oakley sunglasses wholesale
gucci outlet

1:16 AM  

Postar um comentário

<< Home