sexta-feira, março 04, 2011

LÍBIA NO GRANDE JOGO


Líbia no Grande Jogo: No caminho para a nova partilha da África

Graças às suas ricas reservas de óleo e gás natural, a Líbia possui uma balança comercial positiva de 27 bilhões de dólares ao ano e uma média alta de rendimento per capita de 12 mil dólares, seis vezes maior que a do Egipto. Apesar da forte desigualdade dos rendimentos baixas e altos, o padrão médio de vida da população da Líbia (apenas 6,5 milhões de habitantes em comparação com os quase 85 milhões no Egipto) é, portanto, maior do que o Egipto e outros países do Norte Africano. Testemunha o facto de que quase um milhão e meio de imigrantes, a maioria do Norte da África, trabalharem na Líbia. Cerca de 85% da energia exportada pela Líbia vai para a Europa: a Itália ocupa a primeira colocação, seguida pela França, pela Alemanha e pela China. A Itália também ocupa o primeiro lugar nas importações da Líbia, seguida pela China, Turquia e Alemanha.
Essa estrutura que agora vai pelos ares é o resultado de algo que não pode ser caracterizado como uma revolta das massas empobrecidas, como as rebeliões do Egipto e da Tunísia, mas uma verdadeira guerra civil, devido uma cisão no grupo dominante. Quem fez o primeiro movimento explorou o descontentamento, que prevalece especialmente entre as populações da Cirenaica e jovens nas cidades, contra o clã de Khadafi, num momento em que toda a África do Norte tomou o caminho da rebelião. Ao contrário do Egipto e da Tunísia, no entanto, a revolta da Líbia foi pré-planeada e organizada.
A reacção na arena internacional é bastante simbólica, Pequim diz estar extremamente preocupada com os acontecimentos na Líbia e pediu por um “retorno rápido à estabilidade e normalidade”. A razão é muito clara: o comércio Sino-Líbio teve um forte crescimento (cerca de 30% apenas em 2010), mas agora a China pode ver que toda a estrutura das relações económicas com a Líbia, de quem as importações de petróleo são cada vez maiores, tem sido posta em causa. Moscovo está numa posição semelhante.
O sinal de Washington é diametralmente oposto: O presidente Barack Obama, que quando confrontado com a crise egípcio minimizou a repressão desencadeada por Mubarak e apelou a uma "transição ordenada e pacífica", condenou com veemência o governo líbio e anunciou que os EUA está preparando "o leque de opções que temos à disposição para responder a esta crise”, incluindo "acções que podemos realizar por conta própria e as que podemos coordenar com nossos aliados através de instituições multilaterais”. Essa mensagem é clara: Existe a possibilidade de uma intervenção EUA/OTAN na Líbia, formalmente para acabar com o derramamento de sangue. No entanto, as razões reais são evidentes: Se Kadhafi for derrotado, os Estados Unidos seriam capazes de derrubar toda a estrutura das relações económicas com a Líbia, abrindo o caminho para a entrada das empresas estadunidenses, até agora quase completamente excluídas da exploração das reservas energéticas da Líbia. Os Estados Unidos poderiam, assim, controlar a torneira para as fontes de energia sobre a qual a Europa depende em grande medida e que também abastece a China.

A OTAN está agora também para entrar no jogo, pois está prestes a concluir um tratado de parceria militar com a African Union, que inclui 53 países.
A sede da parceria African Union-OTAN já está em construção em Addis Abeba: uma estrutura moderna, financiada pela Alemanha em 27 milhões de euros, baptizado de: "Construindo paz e segurança".

Marcadores: ,

5 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Há muito que andam por aí uns tipos interessados em arranjar uma benarda qualquer...porque...vendo bem a malta por esse Mundo perdeu razão para viver...e então ...


...vai disto...cacetada....como sempre!!!

12:24 AM  
Anonymous Anônimo said...

caro Blogger....

já reparou que as nossas SUMIDADES... os economistas nacionais e mundiais...só sabem uma operação....que é : diminuir

e lembrar-me eu que tive que aprender quatro operações...

12:27 AM  
Anonymous Anônimo said...

Um bocado como por aí já se vai ouvindo...para salvar o regime ( repare que já dizem regime...)..torna-se necessário um grande consenso entre todos os Partidos ou pelo menos entre três deles...( claro com o PS no Governo)


...olá...!? já lá vão uns anos e ouvi falar em Acção Nacional...mas não tem nada a ver ...está claro...que horror...nem pensar...??!!

Aquela era popular ...agora é de cúpulas...

É que hoje pode-se ir ao bolso dos funcionários ...tudo muito mais moderno como se vê...os tempos são outros ...??!! e a sociedade evoluiu....

...eram uns anjolas...aqueles tipos de antanho...agora temos que ser modernos...europeus sem complexos...

Nessa altura os estranjas que queriam rapar o País...vinham cá...e pediam audiência...

....agora vamos nós carregados de caderninhos de apontamentos com os trabalhitos de casa, contas e tabuadas, de camioneta de carreira... à Alemanha....

12:41 AM  
Blogger Zheng junxai5 said...

zhengjx20160528
toms outlet
polo ralph lauren outlet
louis vuitton outlet
adidas superstar shoes
louis vuitton
asics running shoes
louis vuitton outlet
true religion jeans
adidas stan smith
michael kors outlet online sale
kate spade handbags
kate spade
louis vuitton bags
adidas originals
air jordan shoes
michael kors outlet online
burberry outlet
cheap oakley sunglasses
true religion outlet
coach outlet clearance
true religion outlet store
timberlands
ray ban sunglasses outlet
coach outlet store online
copy watches
coach outlet clearance
coach outlet online
jordan retro 13
louis vuitton outlet stores
christian louboutin shoes
ed hardy outlet
adidas factory outlet
jordan 6s
michael kors bags
louis vuitton handbags
oakley outlet
nike air max uk
michael kors bags
michael kors outlet
tory burch outlet

3:32 AM  
Blogger dada24 Xu said...

ray ban glasses
ray ban glasses
kate spade bags
sac longchamp
air max 90
mbt
adidas superstars
coach outlet online
james shoes
cheap ugg boots
zhi20170111

1:18 AM  

Postar um comentário

<< Home