quinta-feira, junho 03, 2010

Democracia Social


Acabo de ouvir numa entrevista do Mário Crespo a um economista da nossa praça, de nome Cantigas Esteves, uma afirmação peremptório do dito entrevistado, com a maior das convicções, que o “estado social” é insustentável, argumentando em defesa da sua tese de que bastam os “números” para o provar. Referia-se naturalmente aos “números” da nossa despesa pública e do endividamento público e das medidas de austeridade que estão a ser implementadas por essa Europa fora.
Vamos então aos números. Ainda que em decrescendo desde a década de setenta o certo é que os países europeus tiveram em média um crescimento anual de cerca de 2,5% do PIB (3,5% na década de 70, 2,5% na década de 80 e 1,6% na década de 90, excepção feita aos países nórdicos onde a taxa de crescimento médio a partir dos anos 90 era de 2,9% quando na França, Alemanha e Itália não ia além dos 1,6%. A produtividade aumentou 2,4% naqueles países enquanto que a França, Alemanha e Itália se ficou por um aumento de 0,5). Não se verificando um acréscimo populacional nestes países, e sendo, ano após ano, cada um deles um pouco mais rico, com taxas de crescimento da riqueza produzida sempre em crescendo, a uma taxa média de 2,5% como vimos, que razão existe para que os cidadãos tenham que reduzir o seu nível de vida, impondo-lhes salários mais baixos, uma segurança social mais reduzida e um menor e mais caro acesso à generalidade dos serviços prestados pelo Estado? É na realidade um contra senso. Mas alguma coisa terá mudado seguramente para que, em coro, esta Europa de pensamento único, repita vezes sem conta que o “estado social” tal como o conhecemos terá que desaparecer, que os cidadãos vivem acima das suas possibilidades, e que os países se devem preparar para novas “reformas” ou, por outras palavras, que os salários terão que diminuir (desejavelmente ao mínimo de sobrevivência), que o trabalho deverá ser desregulado (a comissão europeia aprovou recentemente legislação que aprova o prolongamento do horário laboral para as 65 horas semanais, alterando uma disposição datada de 1917 que fixava em 48 horas) e com maior precariedade e mais “flexível”, que a acção social do Estado deve ser reduzida ao nível mínimo e apenas para os mais miseráveis.
Contudo, quem tudo isto advoga, não responde à questão de fundo que colocámos. Qual a razão porque que os governos de hoje, com uma maior riqueza produzida em seus países, retiram condições sociais que há anos, com menor produção de riqueza, proporcionavam aos seus cidadãos? A resposta reside na implementação dos princípios económicos de uma “nova” doutrina que a partir sobretudo das últimas duas décadas se vem impondo no mundo - o neoliberalismo. Em termos económicos e sociais advoga a retirada do Estado das suas funções sociais, entregando-as ao privado (educação, saúde…,), naquilo a que chama “estado mínimo”, na desregulação de todas as normas que regulam o mercado, retirando ao Estado o seu papel regulador, considerando que o mercado “como mão invisível” se rege a si próprio. Nas suas “reformas”, consideradas pelos defensores do neoliberalismo com indispensáveis e da modernidade, verifica-se que todas elas possuem traços comuns - uma lógica economicista, o desmembramento do sector público, a aversão às políticas públicas, a redução da participação do Estado em políticas sociais, a mercantilização dos serviços essenciais - reduzindo os problemas sociais a uma questão técnica de gestão.
O neoliberalismo tem provocado a par de um gradual, ano após ano, menor crescimento económico, um acentuado e acelerado aumento das desigualdades da distribuição da riqueza (“a parcela de riqueza que é destinada aos salários é actualmente a mais baixa desde, pelo menos, 1960 (o primeiro ano com dados conhecidos). Em contrapartida, a riqueza que se traduz em lucros, que remuneram os detentores do capital, é cada vez mais alta”). E aqui reside a razão pela qual estão a ser retirados aos cidadãos benefícios que conquistaram há décadas.
A lógica da evolução económica desta “modernidade” só tem um único sentido - o agravamento, ano após ano, das condições de vida dos cidadãos e um maior enriquecimento dos detentores do capital. Será que o Homem se conforma com este “empobrecimento” relativo continuado ou, ao contrário, buscará uma nova alternativa? Essa alternativa existe e chama-se Democracia Social.

Marcadores:

6 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Desculpe...mas chama-se mas é Democracia Porradal....( vem do Latim Porrada....já do tempo dos Romanos....imagine...!!!!)

A malta nova ...como o Esteves...é que pensa que o cacau que lhes chega de manhã....cai do céu.....por isso enche a barriga....e aí vai ele todo contente pró emprego decidir sobre investimentos.....produtividade....crescimento... e outros palavrões do género....sem dar conta que lhe estão a entrar pelas traseiras milhões de esfomeados.....que...lhe vão .......implantar nos costaços a tal Democracia Porradal....

11:39 PM  
Anonymous Anônimo said...

Caro Blogger...admiro a sua paciência com as suas excelentes análises.....

......eu ...cá por mim já me deixei disso.....

.......agora é só esperar que venha o resultado destas novas teorias de deixar 3/4 do Mundo á fome.....e depois entrar no novo paradigma....( não sei o que é ...mas a gente ouve na TV....e deve ser coisa boa...!!!???.)

...e agora que a noite está a começar......vou mas é beber um copo....!!!

11:45 PM  
Blogger O Guardião said...

Podiam aprender com os países nórdicos, mas consciência social é algo que não abunda neste rectângulo.
Cumps

12:13 PM  
Anonymous Anônimo said...

Ainda hoje, com mais duas amigas, chegámos à conclusão de que, em duas gerações, se tanto, voltámos atrás a uma época (que julgávamos já ter acabado) em que não havia subsídio de férias, nem de Natal, trabalhava-se Sábado todo o dia, as horas extraordinária não eram pagas, o dinheiro mal dava para os trinta dias do mês, não havia o SNS e muita gente não tinha hipóteses de estudar - o estado social não existia.
Afinal, não se evoluiu muito e estamos a deixar, sem grandes protestos, que o capital nos volte a tratar como escravos.
É triste!!!!!!
Continue com estas análises tão exemplarmente esclarecedoras.
A "balta" agradece...:O)

Ana

8:47 PM  
Anonymous Anônimo said...

Com todo o respeito mas...o Estado Social existia....foi no tempo da outra senhora que começou a ser criado.....e implantado....e sempre pago na hora....depois ...veio o vêr se te avias.....forrobodó....e tal e coisa....descasamentos...casamentos...etc....e tal ...e tal...e .....agora voltàmos ao antes do antigamente e estamos às ordens do pessoal europeu ...coisa que o Tonito não deixava...nem que o matassem...


...é assim...a malta esmifra-se a fazer contas .....de diminuir ...( ele é nos Gabinetes...ele é em reuniões permanentes....ele é em directo na TV...ele é com os maiores especialistas em contas...)....para chegar aos números fixados pela União e mesmo assim não conseguem acertar....puxa vida...muito mal vai esta Instrução primária...

1:49 AM  
Anonymous Anônimo said...

Bom...agora que são conhecidas as medidas de austeridade na Alemanha...esperemos que venha para cá alguma parte dessas poupanças ...porque .....à grande e à francesa andavam a viver os Deutches....( basta ver as carripanas que por lá se fabricam....)

...tudo isto ao lado de tísicos esfomeados como somos nós os Lusitanos....


...por falar nisso estou a pensar ir até Munique à festa da cerveja....( não são férias...é só provar a cerveja....por uma questão de cultura....)

5:11 PM  

Postar um comentário

<< Home