terça-feira, abril 02, 2013

A Dívida Pública

A Comissão (Eurostat) recebe das autoridades estatísticas portuguesas informações sobre a dívida global bruta do sector da administração pública, que inclui a dívida da administração central, regional e local e da segurança social. O Eurostat recebe também das autoridades estatísticas portuguesas informações anuais regulares sobre as parcerias público-privadas classificadas no sector da administração pública. No entanto, não estão disponíveis informações sobre as parcerias público-privadas classificadas como elementos extrapatrimoniais da administração pública. A Comissão (Eurostat) não dispõe de informações completas sobre a dívida das empresas públicas (detidas pela administração pública, central ou local).
O montante total de dívida directa de Portugal era de 198 136 milhões de euros no final do segundo trimestre de 2012. O valor da dívida aumentou em 13 437 milhões de euros em relação ao final de 2011. Correspondendo hoje a 123,6% do PIB.
A Comissão (Eurostat) entende a expressão «dívida pública indirecta» como a dívida das empresas públicas. Embora a Comissão tenha conhecimento da existência desses dados e acolha favoravelmente a sua publicação, tais dados não são, por agora, recolhidos nem validados pela Comissão. No futuro, e impreterivelmente a partir de Janeiro de 2015, a Comissão (Eurostat) estará em condições de publicar a dívida de empresas públicas (bem como as garantias governamentais e as parcerias público-privadas extrapatrimoniais) por força da Directiva 2011/85/UE sobre requisitos aplicáveis aos quadros orçamentais dos Estados-Membros.
Não é verdade portanto, o que se tem afirmado nas televisões sobre a divida pública. A dívida pública subiu de 30% de 2010 a 2012, situando-se nos 123,6% do PIB, sem nela estar considerada a dívida pública das empresas públicas e das parcerias público privadas (PPP), ao que se chama dívida pública indirecta e que em 2012 corresponde a cerca de 15% do PIB. Contudo, se contarmos com o endividamento garantido pelo Estado em nome dos bancos (passivos contingenciais) o endividamento indirecto ascende a 30% do PIB.
Uma autêntica bomba-relógio no parecer da Standard & Poor's.

5 Comments:

Anonymous pvnam said...

É PRECISO 'CORTAR' COM AS REGRAS DA SUPERCLASSE (alta finança - capital global)
.
.
A superclasse pretende 'cozinhar' as condições que são do seu interesse:
- privatização de bens estratégicos: combustíveis... electricidade... água...
- caos financeiro...
- implosão de identidades autóctones...
- forças militares e militarizadas mercenárias...
resumindo: estão a ser criadas as condições para uma Nova Ordem a seguir ao caos - uma Ordem Mercenária: um Neofeudalismo.
{uma nota: anda por aí muito político - marioneta ao serviço da superclasse - cujo trabalhinho é 'cozinhar' as condições que são do interesse da superclasse}
.
.
Para 'cortar' com as regras da superclasse (alta finança - capital global) há que:
-1- REDUZIR O PODER DOS POLÍTICOS e uma maior supervisão exercida pelo Contribuinte [um sistema menos permeável a lobbys]:
i) o Contribuinte deve poder defender-se: "O Direito ao Veto de quem paga";
ii) votar em políticos não é passar um 'cheque em branco'... pedir dinheiro emprestado é um assunto demasiado sério para ser deixado aos políticos... leia-se: o Estado só poderá pedir dinheiro emprestado nos mercados... mediante uma autorização expressa do contribuinte - obtida através da realização de um REFERENDO.
{ver blog Fim-da-Cidadania-Infantil}
-2- garantir o DIREITO À SOBREVIVÊNCIA DAS IDENTIDADES AUTÓCTONES... ou seja: há que mobilizar aqueles nativos que possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência [nota 1: os 'parvinhos-à-Sérvia' (vide Kosovo) que fiquem na sua...; nota 2: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa]... e... "SEPARATISMO-50-50!".
{ver blog Separatismo-50-50}
.
.
.
P.S.
-> O discurso anti-alemão que reina nos media internacionais (nota: são controlados pela superclasse) é uma consequência óbvia: depois de andar a 'cavar-buracos' (nas finanças públicas e na banca) e andar a saquear contribuintes em vários países... a superclasse (alta finança - capital global) quer saquear o contribuinte alemão.
-> A firmeza do contribuinte alemão (não cedendo à pressão exercida internacionalmente...) é fundamental para salvar a Europa.

7:06 PM  
Anonymous Anônimo said...

Ando a ler um livro que se chama No Jardim dos Monstros...

...vou mas é almoçar...

1:06 PM  
Anonymous Anônimo said...


É triste ouvir o que por aí dizem alguns ....ditos responsáveis sobre o processo de apreciação de inconstitucionalidades do orçamento de Estado pendente no Tribunal Constitucional...

...não só por formação académica que possuem como de funções que exercem...

tristeza...pura e simplesmente...

Como se o Tribunal que julga é que tenha a responsabilidade de encontrar solução para a infracção cometida .... ou mesmo para o infractor...

..como se vê a maior crise não está na economia mas .... na "pinha" de alguns...

1:22 PM  
Anonymous Anônimo said...

E aquela de uma Deputada que se contratulou com a contratação de 600 enfermeiros...com base em uma notícia mentirosa ....do 1.º de Abril...???

...e viva a República....

12:29 PM  
Blogger Zheng junxai5 said...


zhengjx20160528
north face jackets
michael kors outlet
nike air max uk
michael kors handbags
christian louboutin sale clearance
retro 11
ray ban sunglasses outlet
louis vuitton outlet
kate spade outlet
cheap jordans
michael kors handbags
nfl jerseys
lebron 13
adidas uk
ray ban outlet
coach outlet online
ralph lauren outlet
kd 8
michael kors outlet clearance
nike uk
ladies cartier watches
louis vuitton handbags
louis vuitton outlet
ralph lauren home
kids lebron shoes
coach outlet
nike blazers uk
tiffany and co
ralph lauren sale
nike free 5.0
christian louboutin outlet
lebron 12
cheap oakley sunglasses
fitflop shoes
asics shoes for men
hollister clothing
ray ban
coach outlet
fitflop shoes
louis vuitton purses

3:29 AM  

Postar um comentário

<< Home