sexta-feira, agosto 07, 2015

O 'diktado' da Alemanha


Somente nos filmes de terror se podem ver cenas tão sádicas como a que vimos no dia 13 de Julho, em Bruxelas, quando o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras – ferido, derrotado, humilhado – teve que acatar em público, cabisbaixo, o diktado da chanceler alemã, Ângela Merkel, renunciando assim ao seu programa de liberação, pelo qual foi eleito, e o qual, precisamente, acabava de ser ratificado por seu povo, mediante referendo.

Exibido pelos vencedores como um troféu para as TVs do mundo, o pobre Tsipras teve que engolir seu orgulho, e também tantos sapos e cobras que o próprio semanário alemão Der Spiegel, compadecido, qualificou a lista de sacrifícios impostos ao povo grego como “um catálogo de horrores”…
A grande lição desse escárnio é que se perdeu definitivamente o controle cidadão com respeito a uma série de decisões que determinam a vida das pessoas dentro da União Europeia (UE) e, sobretudo, no seio da Zona Euro, a tal ponto que podemos nos perguntar: para que servem as eleições se os novos governantes serão obrigados a fazer o mesmo que os precedentes nos temas essenciais, ou seja, nas políticas económicas e sociais? Sob esse novo despotismo europeu, a democracia se define, em menor medida, pelo voto ou pela possibilidade de escolher e, em maior medida, pelo imperativo de respeitar as regras e tratados (Maastricht, Lisboa, Pacto Fiscal) adoptadas há tempos, e que se tornaram verdadeiras prisões jurídicas, sem possibilidade de evasão para os povos.
Ao apresentar para as multidões um Tsipras com a corda no pescoço e uma coroa de espinhos – “Eis o Homem”–, Merkel, Hollande, Rajoy e os demais pretendiam demonstrar que não existe alternativa à via neoliberal na Europa. Abandonai toda esperança, eleitores do Podemos e de outras frentes de esquerda europeia. Estais condenados a eleger governantes cuja tarefa consistirá em administrar as regras e os tratados definidos, de uma vez por todas, por Berlim e pelo Banco Central Europeu.
O mais perverso é que, tal qual o julgamento estalinista no semelhante “Processo de Praga”, foi exigido daquele que mais criticou o sistema, o grego Alexis Tsipras, que seja ele quem se humilhe perante esse mesmo sistema, que o elogie e que suplique por ele.
O que Ângela Merkel quer demonstrar, de maneira bastante clara, é que, hoje em dia, não existe o que chamamos de alternativa económica, representada por uma opção contrária à política neoliberal de cortes e de austeridade. Assim, quando uma equipe política elabora um programa alternativo, o submete à cidadania, para que essa possa escolher, entre um e outro programa, a que lhe parece melhor, e quando esse programa alternativo é preferido pelos eleitores, de forma legítima, democrática, e é aplicado por um governo que conta com o mesmo apoio legítimo dentro de seu país, essa equipe de governo, com seu projecto alternativo antineoliberal, descobre que, na verdade, não tem margem de manobra. Em matéria de economia, de finanças e de orçamento, não dispõe de nenhum tipo de margem de manobra, porque, além do mais, existem os acordos internacionais, que “não se podem mexer”; os mercados financeiros, que ameaçam com sanções se são tomadas certas decisões, os lobbys mediáticos, que fazem a mesma pressão, os grupos de influência oculta, como Trilateral, Bildeberg, etc. Não há espaço.
Como consequência, foi criado na Europa, efectivamente, o status de “novo protectorado” para os Estados que pediram resgate. A Grécia, por exemplo, é governada de maneira “soberana” em questões que tem a ver com a gestão da vida social dos seus cidadãos (os “indígenas”). Entretanto, tudo o que tiver que ver com a economia, com as finanças, com a dívida, com os bancos, com o orçamento e, evidentemente, com a moeda, está sob o poder de uma instância superior: a tecnocracia da União Europeia. Ou seja, Atenas perdeu parte crucial de sua soberania, o país foi rebaixado ao grau de protectorado.
Em outras palavras: o que está ocorrendo, não só com a Grécia mas com toda a Zona Euro – em nome da austeridade, em nome da crise – é, basicamente, a mudança de modelo, passando de um Estado de bem-estar a um Estado privatizado, no qual a doutrina neoliberal se impõe com um dogmatismo feroz, puramente ideológico. Estamos falando de um modelo económico que está arrebatando dos cidadãos uma série de direitos adquiridos depois de lutas seculares, algumas delas sangrentas.
Alguns dirigentes conservadores tentam acalmar o povo dizendo: “bom, se trata de um mal período, um mal momento que temos que enfrentar, apertar o cinturão, mas sairemos desse túnel”. A pergunta é: o que significa “sair do túnel”? Vão devolver o que nos foi roubado? Vão a restituir os cortes salariais que tivemos que sofrer? Vão restabelecer as pensões ao nível em que estavam? Vamos voltar a ter verbas para a saúde pública, para a educação?
A resposta a cada uma dessas perguntas é “não”. Porque não se trata uma “crise passageira”. O que acontece é que, finalmente, passamos de um modelo a outro pior. Agora, a dinâmica do realismo trata de nos convencer que o que perdemos é irreversível. “Lasciate ogni speranza” (1). Essa foi a principal mensagem de Ângela Merkel no dia 13 de Julho, em Bruxelas enquanto exibia, tal qual teutónica Salomé, a cabeça de Tsipras numa bandeja…
(1) “Abandonai toda esperança”, Dante Alighieri, A Divina Comédia. O Inferno. Canto III.
(Editorial de agosto do Le Monde Diplomatique em espanhol)
(retirado do Blog cartamaior)

3 Comments:

Anonymous Anônimo said...

A justiça em Portugal tem dois pesos e duas medidas ora vejam dão mais valor a um roubo que a uma vida humana


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Justica/Interior.aspx?content_id=4719869#AreaComentarios

10:03 PM  
Anonymous rui rosa said...

Pode emprestar o seu pé-de-meia ao governo grego... não exija depois é que seja o contribuinte alemão a pagar a factura.
.
Porque é que existe/existiram empréstimos a juros negativos???
RESPOSTA: Porque as pessoas sabem que existem por aí 'cavadores-de-buracos' a dar com um pau... e... vão à procura de «pagadores certos».
.
Nos sistemas públicos vão-se fazendo ajustamentos......
Nos sistemas privados corre tudo bem... até... abrir falência!... Leia-se: quem optar por sistemas privados (até aqui tudo bem) - quando estes entram em falência (veja-se o caso BES) - que faça flique-flaques, saltos mortais, piruetas, etc... não faça é manifestações argumentando que... a existência duma qualquer falha na regulação... implica que... deve ser o contribuinte a pagar a falência dos sistemas privados!
.
No blog "Fim-da-Cidadania-Infantil" faz-se referência ao facto de ser necessário uma apresentação sistemática da actividade governamental... para que... quem paga (vulgo contribuinte) possa ter/exercer uma atitude crítica (leia-se: o Direito de Veto de quem paga).
-> Resumindo:
1- ficar à espera de auto-regulação privada/(de mercado) é coisa de otários...
2- a Regulação Estatal é necessário... todavia, no entanto... é algo que poderá ser um tanto ou quanto contornável... (nota: ver casos do BPN e do BES)
3- para que certos sectores de actividade [exemplo 1: a actividade política; exemplo 2: sectores estratégicos da actividade económica] não venham a «ficar entregues à bicharada»... é necessário que exista uma apresentação sistemática da sua actividade [ex. 1: governo; ex. 2: EMPRESAS PÚBLICAS em sectores económicos estratégicos] ... para que... o consumidor/contribuinte possa exercer uma constante atitude crítica!
.
.
P.S.
Uma opinião um tanto ou quanto semelhante à minha:
Banalidades - jornal Correio da Manhã (antes da privatização da trasportadora aérea):
- o presidente da TAP disse: "caímos numa situação que é o acompanhar do dia a dia da operação e reportar qualquer coisinha que aconteça".
- comentário do Banalidades: "é pena que, por exemplo, não tenha acontecido o mesmo no BES".
.
P.S.2.
Embora existam por aí teorias altamente giras... o 'business' aqui do je vai continuar a ser a mobilização das pessoas que se interessam pela salvaguarda de Direitos, nomeadamente:
1- O Direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones : blog "http://separatismo--50--50.blogspot.com/".
2- O Direito à Monoparentalidade em Sociedades Tradicionalmente Monogâmicas: blog "http://tabusexo.blogspot.pt/".
3- O Direito ao Veto de quem Paga: blog "http://fimcidadaniainfantil.blogspot.pt/.

4:31 PM  
Anonymous Anônimo said...

https://www.youtube.com/watch?v=G99Xyj-EVvo

1:10 AM  

Postar um comentário

<< Home