quinta-feira, abril 16, 2015

Social Democracia ou Neoliberalismo

O Partido Socialista afirma ser um “partido de esquerda”. Mas o que é ser um partido de esquerda nos tempos actuais, neste mundo globalizado comandado e controlado pelo capital financeiro, pelos “mercados” financeiros? Quando vemos os partidos europeus da área da social-democracia, partidos ideologicamente irmãos do PS - partidos socialistas, trabalhistas e social-democratas - abandonarem a ideologia que sempre disseram defender e abraçarem a ideologia neoliberal, o liberalismo arcaico ressuscitado do século XIX, será de questionar o Partido Socialista Português sobre qual o seu verdadeiro posicionamento actual.
Sejamos claros. A social-democracia defende o modo de produção capitalista e as suas relações de produção, mas igual e paralelamente defende um Estado que assegura o equilíbrio de benefícios entre o Capital e o Trabalho, defende um Estado regulador, um Estado que distribui eticamente a riqueza produzida através de uma justa fiscalidade, um Estado que promove a coesão social e a atenuação das desigualdades sociais, um Estado Social que assegura condições iguais a todos os cidadãos na Saúde, Educação, Justiça, um Estado com uma Protecção Social eficaz à doença, ao desemprego, à velhice, um Estado que através de leis laborais consagra direitos do Trabalho de modo a atenuar tensões sociais sempre limitativas do crescimento e do desenvolvimento económico.
Com a crise financeira internacional iniciada em 2008 o edifício, a arquitectura social deste modelo social que desde a década de 80 do século passado vinha sendo já paulatinamente abalado, sofre um acelerado e brutal ataque tendo por objectivo a sua destruição pura e simples e a sua substituição por um outro modelo social, o chamado neoliberalismo, a ideologia neoliberal. Esta, uma ideologia emanada da “globalização”, do domínio do capital financeiro sobre o capital produtivo que se acelerou nas últimas décadas.
Os partidos da social-democracia europeia deixaram-se corromper pelo poder do capital financeiro dominante e mostraram-se e mostram tanto quanto os próprios partidos liberais, alinhados com o pensamento único neoliberal que hoje domina e controla a união europeia. Todos alinharam, promoveram e promovem as chamadas “reformas” do estado que não são outra coisa que contra reformas, reformas anti-sociais que visam destruir as leis que consubstanciavam os ideais social-democratas e que materializam o estado social.
Todos souberam tirar partido da oportunidade oferecida pela crise financeira de 2008 para acelerar a destruição do estado social, do modelo social social-democrata para substitui-lo pelo modelo neoliberal. Trata-se de um verdadeiro mas obscuro e sombrio “golpe de estado” levado a cabo pelo capital financeiro visando transferir rendimentos da esmagadora maioria da população para uma minoria dominante insaciável, constituída por banqueiros, donos e gestores de grandes empresas e elites políticas usando como instrumento de guerra social a austeridade. Numa nova divisão da riqueza gerada no país agora completamente favorável ao capital financeiro e às grandes empresas que se apropriam deste modo dos recursos financeiros até aqui destinados às funções sociais do Estado e ao bem-estar da população.
Para este modelo social neoliberal, o que determina o “progresso” do país, o que realmente constitui o objectivo da economia, não é a satisfação do bem comum, a satisfação das necessidades humanas colocando o bem-estar das famílias como o seu primeiro objectivo, não, o objectivo da economia é a expansão da acumulação de riqueza de uma ínfima minoria de 1% da população à custa dos restantes 99%. É o modelo social da “economia que mata” como diz o Papa Francisco. Um modelo social que arrasa a chamada classe média, proletarizando os pequenos comerciantes e industriais.
O Partido Socialista deveria ter já anunciado com clareza aos portugueses qual a sua verdadeira opção. Pretende defender a social-democracia ou pretende alinhar com o neoliberalismo ao lado dos seus camaradas europeus. Defende o estado social ou a austeridade sem fim na estupida e absurda lógica de mais austeridade para sair da austeridade. A falta de solidariedade activa que o PS tem demonstrado para com a Grécia ou as visitas de António Costa a Hollande e a Itália em nada clarificam.

4 Comments:

Anonymous Anônimo said...

OS PARTIDOS DE DIREITA EM PORTUGAL FALHARAM E VENDERAM O PAÍS VEJAM .

https://www.youtube.com/watch?v=lP7awAEgbH8

10:17 PM  
Blogger John said...

cheap jerseys wholesale
ralph lauren sale
michael kors outlet
polo outlet
michael kors
ray ban sungalsses
chanel handbags
lv outlet
discount christian louboutin
lululemon
louis vuitton handbags
jordan 8s
oakley sunglasses wholesale
michael kors outlet online
tods outlet store
red timberland boots
louis vuitton
christian louboutin shoes
celine
jordan 11 snakeskin
michael kors outlet
michael kors
coach factory outlet
true religion jeans
chanel bags
air max 90
coach factory
201571yuanyuan

10:18 AM  
Blogger chenlina said...

chenlina20160202
uggs on sale
tory burch outlet online
air max uk
ray ban sunglasses outlet
mihchael kors outlet online
jordan retro
hollister clothing
michael kors handbags
toms outlet
cheap jordans
coach factory outlet online
tod's shoes
beats by dr dre
ray bans
coach outlet store online
ray ban sunglasses
michael kors outlet
louis vuitton outlet
christian louboutin outlet
nike trainers uk
oakkey sunglasses
ray ban sunglasses
louis vuitton outlet online
cheap oakley sunglasses
mont blanc pens
toms shoes
michael kors outlet
louis vuitton handbags
hollister outlet
replica watches
abercrombie outlet
coach factory outlet
burberry outlet
chanel bags
lebron shoes
hollister
louis vuitton handbags
michael kors outlet online
oakley outlet
oakley sunglasses
as

12:59 AM  
Blogger jeje said...

kate spade outlet
canada goose
fitflops clearance
dsquared2
ugg boots
canada goose jackets
canada goose outlet
prada shoes
coach outlet
nhl jersey

12:59 AM  

Postar um comentário

<< Home